T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Arroz – Produtores e indústrias do RS pedem ao Ministério da Agricultura a revisão das medidas

Compartilhe:

Entidades do setor arrozeiro gaúcho pediram ao Ministério da Agricultura a revisão das medidas recentes adotadas pelo governo federal em relação ao produto, como a autorização de compra pública de 1 milhão de toneladas de cereal importado e a isenção da tarifa de importação para arroz importado. O pleito foi levado pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Federação das Cooperativas de Arroz do Rio Grande do Sul (Fearroz) e pelo Sindicato da Indústria do Arroz no Estado do Rio Grande do Sul (Sindiarroz) ao ministro Carlos Fávaro em reunião na tarde desta sexta-feira, 24.
As entidades pediram o cancelamento, e não apenas a suspensão do leilão de compra pública do cereal, e a revisão da isenção da TEC para arroz importado limitada a uma cota de 100.000 toneladas e até meados de outubro. Hoje, a alíquota de importação está zerada sem limite de volume e até o fim do ano. “Solicitamos novamente a não intervenção do governo no mercado. Já explicamos ao governo que o que ocorre são problemas logísticos e de emissão de Nota Fiscal e não de oferta de arroz, pois o que houve foi um gargalo momentâneo”, disse o Presidente da Federarroz, Alexandre Velho, ao Broadcast Agro. “A tendência é que em 30 dias as condições o abastecimento de arroz estejam normalizadas. Não existe necessidade de importação para volume indefinido sem TEC”, acrescentou Velho. Ele garante que o pedido das entidades foi de liberar TEC para 100.000 toneladas e não para volume irrestrito, como disse Fávaro recentemente.
Entre as justificativas, os arrozeiros argumentam que a oferta pelo governo de arroz a R$ 4,00 o quilo está descasada do mercado mundial e do preço médio do produto de R$ 5,00 a R$ 6,00 o quilo. “Isso vai trazer desestímulo ao produtor para manter área de produção com preços abaixo do custo de produção e voltaremos a diminuir área plantada, o que foi a tônica durante o mercados nos últimos dez anos com dependência do mercado externo”, disse o Presidente da Federarroz.
Segundo Alexandre Velho, não houve sinalização por parte do Ministério de revisão das medidas quanto ao arroz. Entidades supermercadistas, atacadistas e de varejo também participaram do encontro.
Fávaro disse ao setor arrozeiro que é uma determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva manter estabilidade neste momento e pediu esforço de todos. “Não há jogo de divergência entre produtores e o governo, mas precisamos dar resposta à população e olhar o Brasil como um todo. Há uma corrida desenfreada na busca de arroz por conta de “fake news” e de oportunidades descabíveis de lucro”, disse Fávaro na reunião, segundo vídeo postado nas suas redes sociais.
Estadão Conteúdo

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h