T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Chuva no nordeste da China traz alívio para milho, mas risco de seca permanece, diz ministério

Compartilhe:

(INVESTING) – Chuvas recentes no celeiro do nordeste da China aliviaram a seca na maior parte da região, disse uma autoridade do Ministério da Agricultura chinês nesta sexta-feira, mas permanecem os riscos com o padrão climático El Niño, que pode trazer mais condições climáticas extremas neste verão.

A China é o segundo maior produtor mundial de milho e cerca de 40% de sua safra vem da região nordeste.

Mais de 20 milhões de mu (1,33 milhão de hectares) na região foram afetados pela seca em maio e junho, disse Pan Wenbo, diretor do Departamento de Plantio do Ministério da Agricultura, em entrevista coletiva.

As chuvas desde o final de junho recuperaram efetivamente a umidade do solo e “basicamente aliviaram a seca”, com apenas 1 milhão de mu (66.666 hectares) de terras agrícolas ainda afetadas na Mongólia Interior, disse ele.

Por enquanto, os grãos de outono estão amadurecendo em ritmo normal, disse Pan, e a área plantada com milho aumentou devido ao bom preço de mercado.

No entanto, o risco de pragas está aumentando, com a lagarta do cartucho se espalhando mais ao norte do que o normal nesta época do ano, acrescentou.

O ministério também está se preparando para a seca no final do verão e para a geada precoce, ambas mais prováveis ​​neste ano, disse Pan.

A China também está enfrentando um excesso de oferta de suínos, com o aumento da produção em relação ao ano passado e a fraca demanda por carne suína pressionando os preços, disse Chen Guanghua, chefe do Departamento de Pecuária e Veterinária do ministério, falando na mesma coletiva.

“Embora o consumo tenha aumentado em relação ao mesmo período do ano passado, a taxa de crescimento é menor do que as expectativas do mercado e o suporte de preço é fraco”, afirmou.

A produção de suínos ainda está crescendo, acrescentou Chen, com o número de leitões recém-nascidos no primeiro semestre do ano subindo 9,1% em relação ao ano anterior.

“Não há base para um aumento acentuado nos preços do suíno no curto prazo”, disse ele.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h