T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Chuvas na China complicam cenário mundial do arroz

Compartilhe:

(FOLHA) – O mercado de arroz, um dos cereais mais consumidos no mundo, passa por uma série de pressões internacionais. Os preços do produto, que estão no patamar mais elevado em dez anos, deverão continuar reagindo.

Condições climáticas adversas, pressão inflacionária e oferta menor do cereal estão levando governos de países produtores e consumidores a interferirem no mercado. Começou com a Índia, a segunda maior produtora mundial e líder em exportações. Devido à elevação interna de preços, o governo proibiu exportações do arroz branco não bamasti em 20 de julho.

Os preços externos reagiram porque os indianos são responsáveis por 40% do volume de arroz comercializado no mercado externo. Tailândia e Vietnã vêm a seguir, com 15,3% e 13,5%, respectivamente.

Agora é a China, que, devido a chuvas e enchentes em três das regiões produtoras do cereal, vai ter quebra de produtividade. As três regiões são responsáveis por um quinto da produção do país.

Os indianos produzem 130 milhões de toneladas, e os chineses, 150 milhões, segundo dados do Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). A Tailândia, a segunda maior exportadora mundial, pediu aos produtores que diminuam a área de arroz devido à falta de água no país.

A produção mundial de arroz deverá ficar em 521 milhões de toneladas na safra 2023/24, um volume próximo ao do consumo. O desempenho da produção chinesa dará diretrizes ao mercado, uma vez que o país é o maior consumidor mundial.

As estimativas mais recentes indicam importações de 7 milhões de toneladas pelos chineses, 13% do volume negociado no comércio internacional, que é de 56 milhões.

No Brasil, os preços continuam subindo e estão em R$ 93,2 por saca, o maior valor nominal desde o início de 2021, período de entressafra.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) reduziu a produção para 10 milhões de toneladas na safra 2023/24, conforme estimativa deste mês, mas elevou o volume de exportação para 1,7 milhão. As exportações encontram um cenário internacional favorável de preços.

Com a queda da produção interna, o Ministério da Agricultura reavaliou o VBP (Valor Bruto de Produção) do cereal para R$ 17,5 bilhões neste ano. Em 2021, chegou a R$ 20 bilhões.

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h