T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Dólar cai com dados de emprego nos EUA, mas termina semana com alta de 3%

Compartilhe:

(INVESTING) -Após três dias de alta, o dólar hoje à vista fechou a sexta-feira em baixa ante o real, com as cotações sendo conduzidas pelo exterior, onde dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos elevaram as apostas de que o Federal Reserve pode não subir mais os juros em 2023.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,8748 reais na venda, com baixa de 0,51%. Apesar do movimento desta sexta-feira, a moeda norte-americana fechou a semana com alta de 3,03%.

Na B3 (BVMF:B3SA3), às 17:14 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,03%, a 4,8930 reais.

Pela manhã, a moeda norte-americana à vista chegou a subir ante o real, dando continuidade ao movimento da véspera. Na máxima da sessão, às 9h01, o dólar à vista foi cotado a 4,9206 reais (+0,43%).

A divulgação de novos dados de emprego nos EUA às 9h30 mudou o cenário. O Departamento do Trabalho informou que a economia dos EUA gerou 187 mil postos de trabalho em julho, abaixo dos 200 mil postos projetados por economistas ouvidos na pesquisa Reuters. O setor privado gerou 172 mil vagas, ante 179 mil esperadas, enquanto o setor público abriu 15 mil novos postos.

Apesar de os dados mostrarem ganhos salariais fortes, o resultado reforçou as dúvidas sobre a necessidade de mais uma elevação de juros pelo Federal Reserve este ano.

Em reação, o dólar à vista migrou para o terreno negativo, em sintonia com a perda de força da moeda norte-americana ante divisas fortes e moedas de emergentes no exterior.

No Brasil, o movimento de baixa da divisa foi intensificado pelo fato de, na véspera, o dólar ter subido quase 2%, influenciado pela decisão de política monetária do Banco Central na quarta-feira, que cortou a taxa básica Selic em 0,50 ponto percentual, para 13,25% ao ano. Na mínima do dia, às 12h07, o dólar foi cotado a 4,8455 reais (-1,11%).

“O movimento no câmbio é exacerbado por conta da forte desvalorização que o real teve ao longo da semana. Então, isso abriu espaço para uma realização de lucros hoje (sexta-feira), com forte valorização do real”, comentou Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho (NYSE:MFG).

No exterior, no fim da tarde, o dólar seguia em queda ante divisas fortes e em relação a moedas de emergentes ou exportadores de commodities.

Às 17:14 (de Brasília), o índice do dólar — que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas — caía 0,42%, a 102,020.

Para José Faria Júnior, diretor da consultoria Wagner Investimentos, o índice do dólar vai cair de fato “quando o mercado entender que o Fed parou mesmo de subir juros”. Neste caso, segundo ele, o dólar vai experimentar novas mínimas ante o real.

“Mas obviamente estamos em um processo de corte de juros no Brasil, em que a Selic estará, a princípio, em 11,75% no fim do ano. E o Fed ainda pode subir mais seus juros. Logo, pode surgir algum incômodo para o dólar cair mais”, avaliou.

Pela manhã, o BC vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de setembro.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h