T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Em São Paulo, aprovação de Tarcísio é 10 pontos maior que Lula (DIÁRIO DO PODER)

Compartilhe:

PARANÁ PESQUISAS: Entre eleitores da capital, 38,7% reprovam Lula, contra 26,7% de Tarcísio

A avaliação que os paulistanos fazem do governo Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos) é cerca de 10 pontos percentuais superior a que fazem do presidente Lula (PT) e do prefeito da cidade, Ricardo Nunes (MDB).

De acordo com levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas, os paulistanos que aprovam o governo Tarcísio chegam a 65,3% dos entrevistados, contra 55,6% que aprovam o atual presidente e 52,7% do prefeito paulista.

Entre os que criticam os três gestores públicos, o governador de São Paulo registra 26,7% de desaprovação, que correspondem a menos de um terço dos eleitores das capital paulistana, enquanto 38,7% rejeitam a gestão do presidente petista e o mesmo percentual é atribuído ao prefeito.

A administração de Tarcísio de Freitas é avaliada positivamente em todas as faixas etárias de eleitores. Aprovam sua gestão 62,1% dos que têm entre 16 e 24 anos, e essa avaliação vai a 64,9% na faixa etária seguinte, dos 25 aos 34 anos.

Dos entrevistados entre 35 e 44 anos, a aprovação soma 62,7%, totalizando 64,5% na faixa dos 45 aos 59 anos e de 70,6% entre os eleitores a partir dos 60 anos.

Veja os números da avaliação do governo Tarcísio de Freitas:

O Paraná Pesquisas entrevistou pessoalmente 1208 eleitores entre os dias 30 de abril e 4 de maio, com grau de confiança de 95%.

Lira afirma que PL das Fake News está longe de uma solução (REUTERS)

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta segunda-feira que o projeto de lei que tenta regulamentar a atividade de plataformas digitais para impedir a disseminação das chamadas fake news está longe de uma solução que permita sua votação na Casa.

Favorável à aprovação do projeto para que as plataformas sejam submetidas à controles mais rígidos e tenham delimitada uma responsabilidade sobre o que abrigam, Lira reconheceu que ainda serão necessárias mais conversas e negociações sobre o tema.

“É um assunto ainda que não está perto de uma solução pelo menos no Legislativo”, disse o presidente da Câmara em entrevista à CNN Brasil.

O deputado voltou a afirmar que a responsabilização das plataformas não implica em censura e lembrou que a internet é palco de extremismos que “alimentam” as big techs.

Lira se viu obrigado a adiar a votação do PL das Fake News na última terça-feira, a pedido do relator da proposta, Orlando Silva (PCdoB-SP), diante da falta de consenso.

Na ocasião, Lira não descartou a possibilidade de o projeto ser fatiado para que possa ir a voto.

A proposta, que tem o apoio do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, busca estabelecer uma regulação de redes sociais e plataformas no país, mas tem dividido opiniões e é foco de polêmica.

Partidos de oposição têm se posicionado contra o projeto, assim como as chamadas big techs, plataformas e redes sociais. Para esse grupo, o projeto pode impedir a liberdade de expressão em vez de combater a desinformação.

Já o relator, o presidente da Câmara, governo e seus aliados defendem a aprovação da proposta por entenderem que o setor necessita de regras. Também apontam que as recentes cenas de violência em escolas é estimulada por discursos de ódio abrigados pela rede.

Apresentado em 2020 pelo senador Alessandro Vieira (PSDB-SE), o projeto já foi analisado pelo Senado e aguarda votação na Câmara há três anos. Se os deputados aprovarem um texto com modificações em relação ao do Senado, a matéria voltará para nova análise dos senadores.

Paralelamente à iniciativa do Legislativo, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou na semana passada para julgamento no plenário da corte uma ação que questiona pontos do novo Marco Civil da Internet, o que também pode resultar em uma nova regulamentação para o setor.

Conexões de mercado e linha direta com Lula tornam Galípolo peça-chave nos planos do governo para o BC (REUTERS)

BRASÍLIA, 8 Mai (Reuters) – Com as duas primeiras indicações ao Banco Central, em especial a de Gabriel Galípolo para o posto-chave na diretoria de Política Monetária da autarquia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva traça o caminho para introduzir contrapontos em um colegiado que hoje opera com poucas divergências, na tentativa de levar a autoridade monetária a baixar os juros no país.

Se aprovado pelo Senado, Galípolo assumirá um cargo responsável por cuidar dos instrumentos de juros e câmbio, além de orientar tecnicamente a administração das reservas internacionais do país, no que pode ser apenas o começo de seus passos na instituição.

De acordo com uma fonte que acompanhou a escolha dos nomes, Galípolo é cotado para ser indicado à presidência do BC após o término do mandato de Roberto Campos Neto, em dezembro de 2024.

Segundo esse membro do governo, a estratégia escolhida foi já colocar o ex-presidente do banco Fator no órgão como forma de pavimentar sua candidatura ao posto máximo e criar um ambiente propício de alinhamento de ideias com outros membros da diretoria em torno do “entendimento do governo sobre juros”.

Galípolo foi alçado a esse papel estratégico por conta de por sua linha direta com Lula — foi apresentado a ele pelo economista heterodoxo Luiz Gonzaga Belluzzo, um dos principais conselheiros do presidente, em 2021 –, mas não apenas por isso.

O economista formado pela PUC-SP, com mestrado em economia política, se tornou um homem de confiança do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e, já na transição, usou suas conexões para fazer a ponte do futuro ministro com o mercado financeiro, ajudando a amainar a desconfiança que havia no setor com o novo governo.

Além disso, o atual secretário-executivo da Fazenda tem mais um ativo: uma relação com Campos Neto — que já o parabenizou pela indicação –, podendo azeitar a comunicação entre a atual diretoria e o governo.

Apesar das críticas estridentes de Lula ao nível atual da taxa Selic (13,75% ao ano), a ideia não é que Galípolo entre no BC como o arauto que prega a queda dos juros, segundo uma fonte com conhecimento do assunto.

A sua chegada efetiva na diretoria da autarquia deve acontecer, nos cálculos dessa fonte, quando já se aproxima a queda de juros sinalizada. Ou seja, seria uma redução “natural”, produto da rota de alinhamento já em curso.

Em declarações públicas desde que assumiu a secretaria-executiva da Fazenda, Galípolo vinha evitando reverberar as críticas do governo ao Banco Central e adotou tom moderado, apesar de alertar que a equipe econômica monitorava possíveis dificuldades no mercado de crédito.

Em conversas internas no ministério, porém, ele compartilhava da visão de membros do governo de que o momento para o BC iniciar o ciclo de baixa dos juros já chegou, considerando o estágio da inflação e da atividade, além de elementos adicionais como o temor de uma crise global e problemas em bancos na Europa e nos Estados Unidos.

A expectativa no governo é que essa visão seja apresentada no Comitê de Política Monetária (Copom) por Galípolo e também por Ailton de Aquino Santos, que comandará a diretoria de Fiscalização do BC. Segundo o relato, Santos, por sua vez, ganhou a simpatia de Lula após uma conversa recente enquanto era avaliada uma lista de nomes de servidores do BC para o cargo.

Até o momento, o Copom tem decidido os juros básicos de maneira unânime, com exceção do encontro de setembro do ano passado, no qual o BC interrompeu o ciclo de alta dos juros em decisão que teve dois votos divergentes, no sentido de promover uma alta adicional na taxa.

Os juros básicos estão no nível máximo em seis anos, o que tem gerado uma série de críticas de Lula. O mercado, segundo o boletim Focus do BC, espera que o primeiro corte na Selic virá apenas em setembro.

O início dos trabalhos dos dois indicados dependerá do trâmite no Senado, com agendamento de sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e votação em plenário. Por isso, não é possível afirmar se os novos diretores já estão no posto na próxima reunião do Copom, em junho.

Lula terá neste ano mais duas vagas para indicar ao BC. Em dezembro, serão encerrados os mandatos dos diretores de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta, Maurício Moura, e de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Fernanda Guardado.

A previsão é que o petista alcance a maioria dos nove membros da diretoria do BC indicados pelo seu governo apenas depois de dezembro de 2024, quando serão encerrados outros três mandatos, inclusive o de Campos Neto, que estreou o novo regime de independência formal do BC, em vigor desde 2021.

Com Galípolo liderando o grupo de nomeados, Lula sela o plano de empurrar o BC a uma convergência sem, no entanto, buscar ativamente derrubar a autonomia da autarquia.

NO FIO DA NAVALHA

Esse não seria o primeiro trabalho no fio da navalha realizado por Galípolo, que teve seu nome ligado ao PT ao acompanhar a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, em um jantar com empresários em abril de 2022.

À época, pouco se sabia do porquê de um ex-presidente de banco, ligado ao mercado financeiro e que trabalhava com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), estar acompanhando a presidente de um partido de esquerda a um encontro com empresários. Galípolo foi ao jantar com Gleisi a pedido de Lula.

Um ano antes, o petista havia dito a Luíz Gonzaga Belluzzo que gostaria de conhecer Galípolo após ler algumas de suas ideias — o economista tem um livro com Belluzzo e é interlocutor de outro nome de ideias não ortodoxas, André Lara Resende. O contato com Lula foi o começo de um elo que não se desfez e se estendeu a Haddad.

Ambos, Haddad e Galípolo, escreveram juntos um artigo sobre a criação de uma moeda única de compensação comercial na América do Sul, citado pelo então candidato à presidência ainda em sua campanha.

Chamado para colaborar na formulação do programa econômico do governo, Galípolo chegou a ser escanteado na transição e foi nomeado para um grupo de infraestrutura pelo então coordenador Aloizio Mercadante. Voltou ao centro das decisões com Haddad, quando Lula chamou o ex-prefeito de São Paulo para coordenar o grupo de transição de economia.

Nestes primeiros meses de governo, a proximidade de Galípolo com Haddad, que já era grande, aumentou. Número dois da pasta, ele encabeçou junto com o ministro algumas das principais formulações do ministério, do marco fiscal às negociações de modelo de crédito com a Argentina, passando pela nova proposta de lei de PPPs.

Agora, nas palavras da ministra do Planejamento, Simone Tebet, Galípolo vai para “pacificar” a pauta do BC. O desafio já começou a se mostrar. O dólar e os juros a longo prazo subiram nesta segunda-feira em reação à indicação.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h