T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Fed sinaliza pausa nas altas de juros

O Federal Reserve está indicando uma interrupção no aumento da taxa de juros por aproximadamente dois meses, enquanto monitora a resolução de sinais contraditórios. Por um lado, há dados econômicos sólidos, e por outro, persiste a preocupação com a inflação, bem como a possibilidade de que o recente aumento nos custos de empréstimos de longo prazo tenha impacto significativo.

Durante um seminário realizado pelo European Economics & Financial Center em Londres, o Diretor do Fed, Christopher Waller, expressou a ideia de observar a evolução da economia antes de tomar medidas concretas em relação à trajetória da taxa de juros. Ele destacou o aparente paradoxo de que as famílias norte-americanas não estão reduzindo seus gastos, apesar da desaceleração no aumento dos salários, o que ilustra o desafio de conciliar o crescimento econômico com o controle da inflação.

Waller também mencionou a possibilidade de manter a taxa de juros estável se a economia desacelerar. No entanto, alertou que um fortalecimento contínuo da economia ou uma estabilização e possível retomada da inflação podem demandar um aperto maior na política monetária, mesmo diante do recente aumento nas taxas de empréstimos de longo prazo.

Considerando essas declarações de uma das autoridades mais inclinadas a combater a inflação do Fed, é quase uma garantia de que os formuladores de políticas manterão as taxas estáveis por pelo menos mais uma reunião. No entanto, eles deixaram a possibilidade em aberto de um aumento nos custos de empréstimos até o final do ano.

Quanto a cortes na taxa básica, Waller expressou cautela, indicando que discutir essa possibilidade seria prematuro enquanto o Fed ainda está considerando aumentos. O Presidente do Fed de Nova York, John Williams, compartilhou uma visão semelhante durante um evento separado no Queens College, ressaltando a importância de manter uma postura restritiva na política monetária para conter a inflação.

A inflação, medida pelo índice PCE preferencial do Fed, que atingiu 7% no ano passado, agora está em torno de 3,50%, com o núcleo da inflação, excluindo alimentos e energia, em 3,90%, de acordo com as estimativas de Waller. Alguns formuladores de políticas do Fed, incluindo Waller, apontaram para o aumento significativo nos rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos desde o último aumento da taxa do Fed em julho, prevendo que as altas taxas de mercado de longo prazo possam reduzir a demanda e a atividade econômica, limitando assim as opções do Fed.

Fonte Reuters

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h