T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Galípolo no BC prenuncia Copom mais brando, mas mercado fica dividido sobre magnitude da mudança

Compartilhe:

SÃO PAULO (Reuters) – A confirmação de que o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, será o indicado do governo para a diretoria de Política Monetária do Banco Central foi recebida pelos mercados financeiros como o primeiro passo em direção a um Copom mais brando no combate à inflação, mas analistas estão divididos quanto ao tempo e à intensidade dessa esperada transição.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou a futura nomeação de Galípolo nesta segunda-feira, destacando que o governo não quer “formar bancada” na cúpula da autarquia, mas busca maior coordenação e harmonia entre políticas fiscal e monetária.

Denilson Alencastro, economista-chefe da Geral Asset, a princípio deu o benefício da dúvida a Haddad e a Galípolo. “Agora é acompanhar se teremos ou não algum tipo de influência política no BC. Quero acreditar que não; o BC presidido pelo Roberto Campos Neto tem sido bastante técnico e a tendência é isso seguir”, disse ele, citando o histórico de Galípolo no mercado financeiro como um fator positivo.

Outros participantes do mercado argumentaram que, embora Galípolo seja bastante alinhado ao governo e possa encorpar discursos mais “dovish” –ou leniente no combate à inflação– dentro do BC, ele não terá o poder de mudar a política monetária da noite para o dia.

“É necessário ressaltar que o Comitê de Política Monetária do Banco Central é formado pelo presidente e mais oito diretores, de maneira que a indicação de apenas um nome não significa que o governo passará a ter controle da condução dos juros do país daí para frente, tendo, no máximo, um voto a seu favor”, disse Matheus Pizzani, economista da CM Capital.

Além de ter confirmado o nome de Galípolo, Haddad disse que Ailton de Aquino Santos, servidor de carreira do BC, será indicado para a diretoria de Fiscalização do órgão. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda terá neste ano mais duas vagas para indicar ao BC, já que em dezembro serão encerrados os mandatos dos diretores de Relacionamento, Cidadania e Supervisão de Conduta, Maurício Moura, e de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Fernanda Guardado.

Desta forma, para muitos economistas, a nomeação de Galípolo é apenas uma etapa de uma mudança mais ampla e lenta no viés de política monetária da diretoria do BC.

“Não acho que o Galípolo vai muito para esse lado ideológico e tem noção de que não se pode simplesmente baixar a taxa de juros nesse momento. Mas, embora a maioria do Copom ainda esteja com uma cabeça mais cautelosa, até o final do ano o governo tem mais nomes que vai anunciar. E, se governo quer uma maioria no Copom, é porque o governo quer outra cara para o Copom”, disse Rafael Pacheco, economista da Guide Investimentos.

Alguns economistas se mostram mais pessimistas, interpretando a confirmação de Galípolo como uma interferência política direta no Banco Central, que é independente, e prevendo mudanças mais imediatas na forma de conduzir a taxa de juros.

“Acho que a indicação dele vai na linha de não ter um Banco Central tão independente na prática nos próximos anos; isso que a gente está vendo agora, que é realmente o Banco Central independente, deve sumir”, disse Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, que faz parte da ala do mercado que vê Galípolo como o provável próximo presidente do BC.

“Eu acredito que ele entra muito por conta da sua lealdade às políticas públicas que o Lula quer… e portanto deve já ir bem alinhado com a ideia de baixar a taxa de juros o máximo que der o quão antes possível. Então a minha dúvida é se já no começo do ano que vem os diretores do Banco Central já começam a votar com Galípolo e não mais com Roberto Campos Neto”, alertou Cruz.

Na mesma linha, Alberto Ramos, diretor do grupo de pesquisa macroeconômica para América Latina do Goldman Sachs, disse que “a percepção de que Galípolo eventualmente substituirá Campos Neto tem o potencial de gerar alguns atritos e mal estar no Copom”, ao mesmo tempo que pode gerar “decisões divididas” e “visões diametralmente opostas sobre qual deveria ser a postura adequada” dentro do colegiado.

Alexandre Schwartsman, economista e ex-diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central do Brasil, comparou a possível intenção do governo de que Galípolo seja o sucessor de Campos Neto à trajetória de ascensão do ex-presidente do BC Alexandre Tombini dentro da autarquia. Tombini ocupou a chefia da instituição durante a gestão da então presidente Dilma Rousseff, de janeiro de 2011 a meados de 2016.

“Se a história servir de guia, tal indicação revela a intenção do governo de colocar no BC um presidente subserviente, alguém que, como Tombini, está preparado para conduzir a política monetária para outros objetivos que não a meta de inflação”, disse Schwartsman, que foi diretor durante o primeiro governo Lula .

Já Eduardo Moutinho, analista de mercado da Ebury, ponderou que o cenário macroeconômico pode nublar uma análise mais profunda sobre se eventuais cortes da Selic serão resultado de influência política ou de argumentos técnicos que miram unicamente o objetivo de inflação.

“A gente já está vendo uma desaceleração da economia em diversos setores e uma inflação um pouco mais controlada, então uma queda na taxa tem argumentos. Isso torna um pouco mais difícil de avaliar se (as decisões dos) novos membros (do Copom) são puramente pressão da ala política ou uma necessidade real”, disse ele.

Ainda assim, para Moutinho, é inegável que a nomeação de Galípolo “provavelmente será o primeiro passo para uma mudança de postura do Banco Central pra um viés mais ‘dovish’”.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h