T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Ibovespa fecha em queda com ajustes após BC não se comprometer a cortar Selic em agosto

Compartilhe:
Foto: Reuters

(Reuters) – O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira, em sessão de ajustes, uma vez que o Banco Central não se comprometeu com um corte da taxa Selic em agosto, embora na visão de economistas não tenha necessariamente excluído essa possibilidade.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,23 %, a 118.934,2 pontos. No pior momento, chegou a 118.018,03 pontos. O volume financeiro somou 23,5 bilhões de reais.

Na véspera, o Ibovespa fechou em uma máxima desde abril de 2022.

De acordo com o gestor de ações da Ace Capital Tiago Cunha, a bolsa refletiu movimentos de realização de lucros após o rali recente, principalmente em ações que tiveram o desempenho beneficiado por perspectivas de uma taxa de juros mais baixa.

Ele avalia que o principal gatilho para o movimento nesta sessão veio da leitura do mercado do comunicado que acompanhou a decisão do Copom na véspera, que não deixou claro quando terá início o ciclo de flexibilização monetária no país.

“É uma correção, afinal, a diferença entre o inicio de ciclo em uma reunião ou outra, não deveria fazer tanta diferença no valor das empresas, quando colocado sob a perspectiva do longo prazo”, acrescentou.

O Banco Central manteve a Selic em 13,75% ao ano na véspera e afirmou no comunicado que a conjuntura demanda “paciência e serenidade” na condução da política monetária, mas excluiu trechos que economistas consideraram como um sinal “dovish”.

Para o economista-chefe da XP (BVMF:XPBR31), Caio Megale, o BC mencionar alguma melhora nas perspectivas de inflação “abre as portas para um possível corte” em agosto, enquanto a visão de que o cenário exige parcimônia indica que o primeiro corte não será agressivo.

Ele também chamou a atenção para a declaração do BC de que a estratégia de manter a Selic nos níveis atuais por um longo período “tem sido adequada” e retirada da promessa de não hesitar em retomar o ciclo de alta se necessário.

“É um sinal de que manter a taxa Selic estável à frente não é necessariamente o plano do comitê”, avaliou Megale, que reiterou previsão de corte de 0,25 ponto percentual em agosto.

Economistas do UBS BB (BVMF:BBAS3), contudo, descartaram de seu cenário base agosto como o ponto de partida dos cortes, citando que o BC reforçou a mensagem de as expectativas de inflação para 2024 e 2025 precisam continuar caindo para a Selic ser reduzida.

Apesar da forte revisão na previsão do consenso para o IPCA em 2023, a equipe do UBS BB destacou que as expectativas para 2024 e 2025 mudaram apenas ligeiramente, “e este é o horizonte que importa para a política monetária agora”.

Eles calculam que as expectativas teriam que cair 0,3 ponto percentual para 2024 e 2025 para o BC cortar em setembro. Para um corte em agosto, afirmam, seria necessária uma redução de 0,5 ponto em cada ano, “o que parece improvável devido ao prazo”.

Nesse contexto, investidores estarão atentos à ata do encontro que será divulgada na terça-feira a fim de buscar mais detalhes sobre o pensamento do Comitê de Política Monetária. A próxima reunião do Copom ocorre nos dias 1 e 2 de agosto.

A perspectiva de queda da Selic no segundo semestre tem apoiado um desempenho mais positivo no pregão brasileiro, com estrangeiros reforçando tal movimento nas últimas semanas.

Em Wall Street, o S&P 500 fechou com um acréscimo de 0,37%, em mais uma sessão marcada por declarações do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, incluindo a de que o BC dos EUA ajustará a taxa de juros em um “ritmo cuidadoso” a partir daqui.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h