T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Ibovespa fecha em queda com riscos externos e falta de catalisadores no Brasil

Compartilhe:

(INVESTING) – O Ibovespa fechou em queda nesta segunda-feira, retomando a tendência negativa que tem marcado agosto após uma trégua na última sessão, em meio a preocupações com a política monetária norte-americana e o ritmo da economia chinesa.

Investidores também aguardam o desfecho de discussões envolvendo a votação final do novo arcabouço fiscal do Brasil, que precisa ser apreciado novamente pela Câmara dos Deputados após mudanças no texto feitas na votação da matéria no Senado.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,85%, a 114.429,35 pontos, de acordo com dados preliminares, quase perdendo o patamar dos 114 mil pontos na mínima do dia.

O volume financeiro somou 19,5 bilhões de reais, mais uma vez abaixo da média diária do ano, de 25,9 bilhões de reais.

Na última sexta-feira, o Ibovespa havia quebrado uma série histórica de 13 pregões de baixa, fechando com sinal positivo pela primeira vez em agosto, mas a alta foi modesta, de apenas 0,37%, em meio a persistentes incertezas na cena global.

Após uma reprecificação recente dos riscos envolvendo novas altas dos juros nos Estados Unidos, investidores estarão atentos ao simpósio do Federal Reserve, em Jackson Hole, que pode trazer sinais dos próximos passos do banco central norte-americano.

Na visão de Ipek Ozkardeskaya, analista sênior do Swissquote Bank, o foco estará no discurso do chair do Fed, Jerome Powell, em Jackson Hole, previsto para sexta-feira, que deve manter seu tom “hawkish”, apesar da queda da inflação.

Ele avalia, contundo, que o temor de um Fed “hawkish” já está no preço e que se não houver mais surpresa em Jackson Hole, “as tensões entre os investidores podem diminuir na próxima semana e dar aos mercados algum espaço para respirar”.

Em Wall Street, o S&P 500 fechou em alta de 0,69%, enquanto Nasdaq subiu 1,56% e o Dow Jones caiu 0,11%.

Ainda no noticiário externo, o BC chinês cortou a taxa de juros de referência para empréstimos de 1 ano em 0,1 ponto percentual, para 3,45%, mas manteve inalterada a taxa para empréstimos de 5 anos em 4,20%.

No mercado, porém, as expectativas apontavam queda em ambas as taxas, e um declínio maior do que o efetuado na de 1 ano, de 0,15 ponto.

O UBS cortou as projeções para a economia chinesa em 2023 e 2024, argumentando que o apoio do governo tem sido “indiscutivelmente menor do que o indicado no início do ano” e do que eles previam, conforme relatório nesta segunda-feira,

O banco agora espera crescimento do PIB da China em 4,8% em 2023 (de 5,2%) e 4,2% em 2024 (de 5%), citando principalmente a expectativa de um setor imobiliário mais fraco com pouca compensação adicional, mas também de demanda externa mais fraca.

Em meio ao ambiente externo ainda complexo e sem novos catalisadores para o Ibovespa após quatro meses de alta até o final de julho, estrangeiros seguem vendendo mais do que comprando ações brasileiras.

De acordo com os dados mais recentes disponibilizados pela B3, o saldo de capital externo no mercado secundário estava negativo em 9,3 bilhões de reais em agosto até o dia 17.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h