T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Ibovespa fecha em queda com Vale e bancos ofuscando Petrobras

Compartilhe:
Foto: Reuters

(Investing) –  A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em queda nesta quarta-feira, com o declínio das ações da Vale prevalecendo sobre o avanço dos papéis da Petrobras, assim como também pesou o recuo de bancos em meio a dados mostrando desaceleração no crédito e aumento da inadimplência no país.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 0,72%, a 116.681,32 pontos, após registrar 117.936,71 pontos na máxima e 116.559,7 pontos na mínima do pregão. O volume financeiro somou 21,6 bilhões de reais.

Com tal desempenho, o Ibovespa agora acumula alta de 7,7% no mês, caminhando para um ganho de 14,5% no segundo trimestre e um acréscimo de 6,3% no semestre, o que pode também estar levando alguns investidores a embolsarem lucros dada a proximidade do fechamento de tais períodos na sexta-feira.

“Após o movimento de alta recente, vemos os investidores com uma visão mais cautelosa com relação aos ativos de risco, considerando que ainda há preocupações sobre a inflação e crescimento econômico em âmbito global”, afirmou o analista da Terra Investimentos, Luis Novaes.

“Esperamos que os dados econômicos a serem divulgados nos próximos meses tornem a perspectiva mais clara quanto à situação econômica que devemos enfrentar após esse significativo aperto monetário”, acrescentou.

Na visão de Novaes, o mercado global está precificando pouco impacto da política monetária sobre a atividade. Em Wall Street, o S&P 500 fechou quase estável, a 4.376,86 pontos nesta sessão, ainda está perto das máximas do ano apuradas em meados do mês, quando bateu 4.448,47 pontos durante o pregão do dia 16.

“Portanto, caso o cenário de uma forte recessão se concretize, poderemos ter uma grande correção, principalmente na bolsa americana, o que deve orientar os investimentos ao redor do mundo, mesmo com o horizonte mais positivo no Brasil com o corte de juros à frente”, avaliou.

A perspectiva de que o Banco Central começará em breve a reduzir a Selic, reforçada na véspera pela própria autoridade monetária, tem colocado o Brasil no radar de investidores globais, como a BlackRock (NYSE:BLK), principalmente com o prognóstico de um ambiente ainda restritivo nas principais economias.

Números da B3 (BVMF:B3SA3) mostram que, no mês, as compras por estrangeiros no mercado secundário de ações superavam as vendas em 7,6 bilhões de reais até o dia 26.

O presidente do conselho de administração do BTG Pactual (BVMF:BPAC11), André Esteves, afirmou nesta quarta-feira que está claro ou muito encaminhado que haverá uma queda da taxa Selic em agosto e avaliou que o Banco Central poderia adotar um ritmo mais rápido do que apontam as expectativas no mercado.

“Como a taxa está muito alta, eu não acho que a gente deveria vir com doses homeopáticas… para começar o movimento com a taxa em 13,75% eu prefiro 0,5 (ponto percentual) que 0,25 (ponto)”, disse no evento online BTG Talks realizado pelo banco.

Análise técnica do Itaú BBA considera que o movimento de realização de lucros desencadeado pelo perda do patamar dos 118.000 pontos pode levar o índice a buscar suportes em 116.300 e 114.200 pontos, níveis que ainda o mantém em tendência de alta, conforme relatório a clientes.

Para os analistas, contudo, se o Ibovespa superar 119.500 pontos conseguirá mais um impulso na tentativa de superar os 121.600 pontos. “Se conseguir esse feito, abrirá espaço para buscar o topo histórico em 131.200 pontos.”

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h