T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Ibovespa fecha em queda de mais de 2% com aversão a risco antes de Fed

Compartilhe:

SÃO PAULO (Reuters) – O Ibovespa fechou em queda de mais de 2% nesta terça-feira, com as blue chips Vale, Petrobras e Itaú Unibanco recuando fortemente, diante de um ambiente avesso a risco no exterior em véspera de decisão de juros do banco central norte-americano.

Investidores também aguardam o desfecho da reunião de política monetária do Banco Central brasileiro na quarta-feira, principalmente após o presidente do BC, Roberto Campos Neto, voltar a justificar na semana passada o atual nível da Selic.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 2,4%, a 101.926,95 pontos. O volume financeiro na sessão somou 23,5 bilhões de reais.

De acordo com o sócio e estrategista da Meta Asset, Alexandre Póvoa, o pregão na B3 refletiu aversão a risco após o evento da compra do First Republic pelo JPMorgan e à espera do Federal Reserve. “Movimento global”, acrescentou.

Reguladores norte-americanos assumiram o First Republic Bank no fim de semana e venderam seus ativos ao JPMorgan na segunda-feira, em um acordo para resolver a maior falência de banco dos EUA desde a crise financeira de 2008.

Na segunda-feira, não houve negociação na bolsa paulista em razão do Dia do Trabalho.

Para o analista Luis Novaes, da Terra Investimentos, os eventos envolvendo o First Republic elevaram o receio dos investidores quanto à possibilidade de novos desdobramentos da recente crise bancária nos EUA, penalizando os ativos de risco.

A equipe da Ágora Investimentos também ressaltou em relatório que, após a aquisição dos ativos do banco pelo JPMorgan, cresceu a percepção de que o Fed talvez não tenha tanta urgência para reduzir o ritmo do aperto monetário nos Estados Unidos.

O Fed anuncia decisão na quarta-feira, com a previsão no mercado de aumento de 0,25 ponto percentual, que colocará a taxa na faixa de 5% a 5,25%, nível mais alto em quase 16 anos. Investidores estarão atentos a sinais sobre os próximos passos.

Em Wall Street, o S&P 500 caiu mais de 1%.

Também na quarta-feira o Copom anuncia sua decisão de política monetária. E nesse caso as apostas são de manutenção da Selic em 13,75% ao ano.

Novaes, da Terra, acrescentou que as decisões do Fed e do BC brasileiro também desestimulam posições relevantes, pois uma eventual decisão fora do esperado teria um grande impacto em ativos de risco.

Nesta terça-feira, o BC da Austrália elevou inesperadamente os juros a 3,85%. Na quinta-feira, será a vez de o Banco Central Europeu anunciar sua taxa de juros.

Investidores do mercado brasileiro também começaram maio com a decisão do governo brasileiro de taxar rendimentos no exterior de pessoas físicas no Brasil a partir de 2024, bem como aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF).

A partir desta segunda-feira, o Ibovespa passou a mostrar nova composição, com o retorno dos papéis do IRB Brasil e saída das ações de Ecorodovias, Qualicorp e Pan.

Os próximos dias também serão marcados por uma série de divulgações de balanços de empresas brasileiras.

DESTAQUES

– PETROBRAS PN recuou 4,05%, a 22,74 reais, em meio ao declínio dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent fechou em baixa de 5%, a 75,32 dólares o barril. A Petrobras também cortou na véspera o preço médio do querosene de aviação (QAV) vendido a distribuidoras em 11,5%, no terceiro recuo mensal consecutivo do combustível.

– VALE ON caiu 3,95%, a 69,54 reais, acompanhando o movimento negativo de outras mineradoras em mercados no exterior.

– ITAÚ UNIBANCO PN encerrou em baixa de 3,88%, a 24,9 reais, enquanto BRADESCO PN perdeu 1,44%, a 13,65 reais.

– LOJAS RENNER ON recuou 5,81%, a 14,92 reais, em meio a perspectivas ainda fracas para o desempenho da varejista, que reporta seu resultado dos primeiros três meses de 2023 na quarta-feira. “Esperamos ver mais um trimestre de fraco crescimento e perda de rentabilidade”, afirmaram os analistas da Genial Investimentos. No setor, GRUPO SOMA ON perdeu 2,15% e ALPARGATAS PN cedeu 1,62%.

– CARREFOUR BRASIL ON fechou em baixa de 2,88%, a 10,44 reais, com analistas avaliando que fatores macroeconômicos devem continuar pesando no setor de varejo alimentar. A companhia também divulga balanço do período de janeiro a março após o fechamento do mercado nesta terça-feira. ASSAÍ ON mostrou declínio de 3,66% e GPA ON recuou -3,47%.

– VIBRA ON cedeu 6,59%, a 12,33 reais. Analistas do BTG Pactual estimam que o resultado da distribuidora de combustíveis no primeiro trimestre do ano deve ser novamente afetado por eventos não recorrentes, incluindo perdas “consideráveis” em estoques relacionadas a cortes de preços pela Petrobras. Eles também preveem impacto negativo vinculado a importações feitas em dezembro mas contabilizadas em janeiro.

– IRB BRASIL ON disparou 8,48%, a 31,14 reais, no primeiro pregão de volta ao Ibovespa.

– SUZANO ON avançou 2,21%, a 40,68 reais, beneficiada pela alta do dólar ante o real na sessão. O BTG Pactual também incluiu as ações da Suzano em sua carteira recomendada para maio. No setor de papel e celulose, KLABIN UNIT subiu 0,26%.

– RD ON valorizou-se 1,22%, a 26,6 reais, antes da divulgação do balanço do primeiro trimestre, prevista para a após o fechamento do mercado nesta terça-feira.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h