T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Lula libera R$ 7,5 bi em emendas e junto com Kassab sonha com divisão bolsonarista?

Compartilhe:

Um dos problemas do projeto de reforma é que ele remete para o futuro e para um conselho fiscal nacional ou para normas regulatórias que o governo vai criar, sem precisar passar pelo voto do Congresso. Isso significa que regras detalhando a implantação da reforma e alíquotas de impostos podem ser decididas nos gabinetes de Brasília, sem discussão. Por isso, fala-se em “cheque em branco”.

O tamanho do prejuízo só será dimensionado à medida que essas definições forem acontecendo no médio e longo prazo. A reforma tem um prazo de transição até 2030 para ser implementada lentamente e, como mexe com novos impostos, deve obedecer ao princípio da anualidade e só começar a valer a partir de janeiro do ano que vem. Há uma gradualidade na implementação e muitas definições só acontecerão depois. Isso aumenta a cara de aumento de impostos decidido na calada da noite pelos burocratas do Brasil.

Veja o comentário completo com Paulo Moura no vídeo abaixo:

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h