T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Produtores do RS reagem ao apoio do Brasil à importação de arroz; apontam intervenção e tabelamento

Compartilhe:

 

Os estímulos à importação de arroz que estão sendo implementados pelo governo brasileiro podem desestimular produtores do Rio Grande do Sul a plantar a próxima safra (2024/25) e gerar um problema futuro na oferta, afirmaram integrantes da Federação dos Agricultores do Estado nesta segunda-feira.
Segundo os representantes dos produtores rurais gaúchos, o programa do governo federal que destina mais de 7 bilhões de reais para apoiar a compra de arroz importado, para depois a estatal Conab vendê-lo ao varejo com exigência de preços controlados, é a “maior intervenção” no mercado desde o início do Plano Real, há 30 anos, que já se mostrou ineficaz no passado.
Em entrevista para comentar os impactos das enchentes para o Rio Grande do Sul, Estado que responde por cerca de 70% da produção de arroz no País, o Presidente da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (FARSUL), Gedeão Pereira, lembrou que o Estado havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações.
Assim, ele considerou o apoio estatal a importações como “desnecessário”, afirmando que há oferta interna suficiente, e ainda qualificou de “tresloucada” a medida que autoriza compras de até 1 milhão de toneladas de arroz importado.
“O ministro parece que se preocupou muito com a importação de arroz, não com salvar os produtores do Rio Grande do Sul”, afirmou Pereira, mencionando o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro. Na terça-feira, Fávaro vai instalar um gabinete itinerante da Pasta no Estado.
O preço do arroz em casca posto na indústria do Rio Grande do Sul subiu quase 13% no acumulado do mês até a última sexta-feira, para R$ 120,95 a saca de 50 kg, segundo indicador levantado pelo centro de estudos CEPEA.
Segundo o Presidente da FARSUL, isso teria sido causado mais por problemas logísticos para retirar a produção e por dificuldades para se emitir notas fiscais em meio às enchentes.
“Não tem por que essa importação intempestiva… ainda com preço subsidiado, porque a R$ 4,00 que eles querem colocar no saco (no supermercado) deverá ter subsídio em torno de 20% no quilo. Parece que veio afundar mais o produtor rural, e justamente em um setor que estava se reabilitando”, disse.
Ele citou o preço estabelecido para o quilo do arroz no programa da Conab, que venderá o produto diretamente para supermercados, hipermercados, atacarejos e outros estabelecimentos comerciais, exigindo a revenda ao consumidor com controle de preços.
Pereira lembrou que o Rio Grande do Sul, que já plantou no passado mais de 1 milhão de hectares de arroz, aumentou a área plantada na última safra. Disse que se o preço cair novamente, o Estado pode reduzir a safra.
Procurado, o Ministério da Agricultura não comentou o assunto imediatamente.
Para o economista-chefe da FARSUL, Antônio da Luz, o programa do Ministério “será a maior intervenção em preço de produto não administrado desde o início do Plano Real”.
“Uma coisa é intervir em energia e combustível, mas são preços administrados, agora preço de arroz, que não é administrado, a última vez que isso aconteceu não tínhamos nem a moeda que temos hoje”, disse.
Ele lembrou que o Brasil já viveu tabelamento de preços no passado, e “sabemos que isso não funciona”. “A Argentina estava fazendo isso até pouco tempo atrás, e vimos onde deu”, disse.
Já o Presidente da FARSUL afirmou que o planejado apoio à importação de arroz resultará na chegada do produto apenas no segundo semestre. “Leva 70 a 90 dias para viabilizar carga da Tailândia e ou outro país asiático”, disse.
Além do programa da Conab, o governo anunciou tarifa zero de importação de arroz para ampliar as compras externas.
As perdas nas lavouras inundadas do Rio Grande do Sul são estimadas em ao menos R$ 3 bilhões, com maior impacto na soja e menor nas plantações de arroz, avaliaram representantes da FARSUL, que não deu números de colheita para o Estado
Estes prejuízos não incluem aqueles problemas com as infraestruturas e silos.
“No entanto, há perdas imensas em áreas não inundadas, mas não conseguimos calcular ainda. Onde foi inundado é fácil calcular porque conhecemos a área, e a perda é de 100%”, disse o economista-chefe da FARSUL.
Na soja, a cultura mais afetada, ainda que a colheita estivesse já 75% concluída, produtores citaram problemas com grãos ardidos, brotados e podres, além de cargas com umidade acima do normal. Em muitos casos, afirmou a Farsul, os armazéns dos compradores ou cerealistas não estão recebendo os carregamentos pelos problemas de qualidade.
Para tentar reduzir os impactos, a FARSUL está solicitando ao governo federal um programa que envolva renegociações de dívidas que alongue os vencimentos, com período de dois anos de carência, além de juros de 3% ao ano.

Reuters

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h