T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Seca atinge Canal do Panamá e preocupa mercado global

(CNN BRASIL) – O Panamá está agora no meio de sua estação de chuvas. Porém, mesmo sendo um dos países mais chuvosos do mundo, esta é uma das estações mais secas já registradas.

No Canal do Panamá, onde a água doce é a força vital para o funcionamento das eclusas, a falta de chuvas abundantes tem levado a níveis de água mais baixos e colocado um aperto numa artéria crítica da navegação internacional: as autoridades do Canal chegaram a impor restrições ao peso dos navios e ao tráfego diário.

Embora o impacto direto para fabricantes, varejistas e consumidores dos Estados Unidos pareça ser mínimo neste momento, o potencial para mais limitações está crescendo.

Esse é mais um exemplo de uma via fluvial afetada pelas condições meteorológicas causando atrasos no fluxo de mercadorias essenciais — como os níveis mais baixos do rio Reno e do poderoso Mississippi, ou os ventos fortes e a tempestade de areia responsável pelo encalhe do enorme navio Ever Given no Canal de Suez há dois anos.

Quer seja devido ao clima, às condições meteorológicas, à geopolítica ou a qualquer outra circunstância imprevista, qualquer aumento nos pontos de estrangulamento marítimo pode significar problemas para as redes globais de abastecimento, que têm funcionado muito melhor desde as convulsões da era pandêmica.

“Cerca de 80% de nossas mercadorias são transportadas por via marítima”, afirmou Janelle Griffith, líder de logística para a América do Norte da empresa de corretagem de seguros e consultoria de risco Marsh.

“Por isso, esse tipo de bloqueio é motivo de preocupação. E, sim, isso tem ramificações globais. Quando se tem um bloqueio numa parte da cadeia de abastecimento, o resto da cadeia é automaticamente afetado”.

Pouca água

O Canal do Panamá depende da água doce dos lagos vizinhos. Um sistema de eclusas utiliza enormes quantidades de água — pelo menos 50 milhões de galões, ou 190 milhões de litros — para fazer cada embarcação flutuar através do canal.

Normalmente, nesta época do ano, os níveis dos lagos estão aumentando. No entanto, a precipitação no Panamá nesta primavera e no verão foi a mais baixa desde o início do século, disse Jon Davis, meteorologista-chefe da Everstream Analytics.

“Isso não quer dizer que os níveis dos lagos de água doce vão baixar, mas não temos nenhuma melhora significativa em vista para o próximo mês”, explicou. “E com o El Niño começando a se intensificar, e todos os modelos climáticos existentes indicando que o fenômeno continuará a se acentuar no restante deste ano e início de 2024, essa é uma preocupação de longo prazo”.

Isso pode levar a condições mais secas na parte sul da América Central, incluindo o Panamá, acrescentou.

“Nunca sabemos a magnitude das interferências e até que ponto a cadeia de abastecimento vai ficar congestionada, mas parece, sem dúvida, que estamos indo nessa direção de problemas crescentes”, afirmou.

Consequência inevitável

No entanto, do ponto de vista dos transportes, para além do Panamá a próxima consequência inevitável pode ser o rio Mississippi, disse Davis.

Nos últimos 30 dias, as chuvas ao longo do sul do rio Mississippi ficaram bem abaixo do normal. Algumas das variações na precipitação estão entre as mais baixas desde 1893, continuou Davis.

O padrão seco, juntamente com o calor recorde registrado ao longo do Mississippi, de Minneapolis a Nova Orleans, deve resultar na queda dos níveis dos rios na primeira parte do próximo mês, comentou.

Níveis mais baixos de água podem levar a restrições bem no momento em que as safras no coração da América estão sendo colhidas e transportadas rio abaixo para o mercado nacional e para exportação.

“Estamos lidando com uma situação em que temos problemas no Panamá e, provavelmente, teremos problemas no Mississippi para a circulação de commodities, especialmente de produtos agrícolas”, afirmou. “Assim, estamos diante de um problema acentuado da cadeia de abastecimento. E quando há duas disrupções em vez de uma, isso se amplia globalmente.”

Problemas para compras de Natal

Por ora, os tempos de espera aumentaram no Canal do Panamá. Os navios porta-contêineres, que foram priorizados, não foram muito afetados pelas restrições, de acordo com a Everstream Analytics.

Em meados de agosto, havia cerca de 135 navios à espera em ambas as extremidades do canal, contra 29 no mês anterior, observou a Everstream, acrescentando que os navios à espera são normalmente petroleiros ou graneleiros.

Ainda assim, o número de navios que esperam cinco dias ou mais continua a crescer, aumentando ainda mais um gargalo que começará a afetar a confiabilidade do serviço e causar atrasos nos envios nos Estados Unidos e na Europa, segundo a Everstream.

“A maioria das transportadoras marítimas teve de reduzir a carga em seus navios, mas até agora isso não teve um efeito significativo nos horários e nas taxas de frete”, declarou a Everstream Analytics por e-mail à CNN.

“No entanto, se as linhas de contêineres forem forçadas a continuar a transportar menos contêineres, pode haver problemas para as empresas dos EUA que tentam reabastecer os estoques antes da época festiva de fim de ano — impactando tudo, de decorações de Natal a móveis e brinquedos”.

Nesta semana, os principais portos dos EUA informaram que não registraram nenhum impacto por conta das restrições e atrasos no Canal do Panamá.

“Ainda não vimos nenhum serviço ser transferido do Canal do Panamá para Los Angeles”, disse Phillip Sanfield, porta-voz do Porto de Los Angeles, à CNN por e-mail. “Esperamos que o Canal de Suez seja o primeiro a registrar um aumento do tráfego”.

Os portos da área de Nova York também não viram uma mudança notória no tráfego, informou Amanda Kwan, porta-voz da Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey.

No início deste mês, a National Retail Federation disse à CNN que seus membros não haviam relatado nenhum impacto, mas que estavam trabalhando com seus parceiros da cadeia de suprimentos, incluindo a transportadora marítima, para mitigar qualquer risco decorrente dos atrasos.

Mudanças na cadeia de abastecimento

Se esta situação tivesse ocorrido antes dos confinamentos durante a pandemia e das mudanças drásticas nos padrões de consumo que prejudicaram as cadeias de suprimentos, a história poderia ter sido diferente.

“Devido ao que aconteceu em 2021, as empresas diversificaram suas cadeias de abastecimento”, disse Kwan.

Além disso, como os padrões de encomenda mudaram de “just in time” para “just in case”, os armazéns ficaram lotados de produtos, e esses níveis de estoque continuam altos, uma vez que os consumidores gastaram menos em coisas e mais em bens intangíveis, como ingressos para um show da Taylor Swift.

Com qualquer atraso, surgem maiores obstáculos para todos ao longo da cadeia de suprimentos, mas muitas empresas tomaram medidas como o reshoring e o nearshoring para atenuar os riscos, explicou Kamala Raman, vice-presidente e gestora da equipe de logística, atendimento ao cliente e design de redes da Gartner.

“Sempre haverá riscos desconhecidos, e há riscos conhecidos”, declarou à CNN. “Se queremos ser resilientes, temos de saber o que é um plano B.”

É possível que os importadores de varejo estejam “assustados” com esses desdobramentos, comentou Peter Sand, analista-chefe da Xeneta, uma empresa de análise de marketing de transporte aéreo e marítimo.

“É evidente que eles estão trabalhando com estoques ajustados ao nível da demanda atual”, reiterou.

Dado que a economia, o mercado de trabalho e os gastos de consumo dos EUA se mantêm resilientes, é possível que a procura aumente, o que poderá levar a uma situação em que os atrasos nos envios signifiquem uma seleção de produtos menos diversificada ou, pior ainda, prateleiras vazias, afirmou.

“Temos um risco aqui — e todas as alternativas têm um preço e um tempo mais longos para que as mercadorias cheguem da origem a seu destino final”, completou Sand.

 

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h