T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Soja – Atraso da comercialização da safra 2023/24 pode manter pressão sobre os preços

O atraso nas negociações com a soja disponível da safra 2023/24 atualmente registrado nas praças produtoras do Brasil pode manter a pressão sobre os preços da oleaginosa, estimam analistas ouvidos pelo Broadcast Agro. Segundo o analista da consultoria Céleres, Enilson Nogueira, até a terceira semana de março, 41% da safra atual tenha sido comercializada, contra 56% da média histórica no mesmo período em outras safras.
No início de março, a Céleres recomendou a venda da soja “no curtíssimo prazo”, apesar da margem baixa, principal causa do atraso. “Parte disso está relacionada à frustração dos produtores (com a queda de preço da saca)”, disse Nogueira. “Há dois anos eles estavam negociando a soja a R$ 200,00, agora os preços estão próximos dos R$ 100,00.”
Para o analista, “o produtor está segurando para pagar para ver”, na expectativa de uma reversão de tendência de baixa. O problema, segundo ele, é que “reter a soja é sinônimo de ter”. “O comprador sabe que o produtor está pouco vendido”, disse ao Broadcast Agro, avaliando que com isso, em algum momento a soja será escoada e os preços podem cair mais. Ou seja, para o analista, os preços podem entrar em uma espécie de círculo vicioso, em que novas rodadas de negócios são caracterizadas pela alta disponibilidade do grão que, por sua vez, pressiona as cotações. “Mas se não houver um elemento novo o preço não vai subir”, disse o analista.
Segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), a preocupação com os preços tem determinado o comportamento dos produtores desde o plantio da safra. “Quem tem condições de segurar a soja está um pouco mais cauteloso na hora de negociar”, disse o Superintendente do IMEA, Cleiton Gauer, ao Broadcast Agro. Segundo ele, a prioridade no momento é o cumprimento de contratos já firmados. As vendas também são impulsionadas pela necessidade de espaço de armazenamento.
Dados do IMEA mostram que, até o início de março, 46% da safra de soja 2023/24 havia sido vendida em Mato Grosso, um atraso de 5,93% em relação ao ciclo anterior e muito abaixo da média dos últimos cinco anos de 65,34% de comercialização. Ele disse que com a proximidade do fim da colheita em Mato Grosso, estimada em 98,57% pelo levantamento mais recente do IMEA, a comercialização tem avançado, mas ainda está aquém do ritmo ideal. “Vai ser assim até meados de maio”, disse. “De modo geral, estamos acompanhando de perto as mínimas históricas”, afirmou.
Em um cenário de pouca probabilidade para a alta dos preços, os analistas consideram que o produtor deve observar o custo de carregamento da soja neste momento. A análise deve levar em consideração não apenas os preços de venda, mas o quanto vai custar segurar esse produto e o quanto o produtor deseja receber lá na frente. Segurar a soja pode ser sinônimo de pegar um crédito bancário, com pagamento de juros e safra estocada, indicam.

Broadcast Agro

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h