T&D – Tempo e Dinheiro

Procura

Entrar

Procura

Taxas futuras de juros de longo prazo sobem com anúncio de Galípolo no BC

Compartilhe:

SÃO PAULO, 8 Mai (Reuters) – As taxas dos contratos futuros de juros com prazos longos fecharam a segunda-feira em alta firme, com investidores reagindo negativamente ao anúncio de que o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, será indicado para a diretoria de Política Monetária do Banco Central.

Entre os vencimentos de curto prazo, as taxas cederam após o anúncio, mas terminaram a sessão muito próximas da estabilidade.

O anúncio foi dado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, no início da tarde. Galípolo é o braço-direito de Haddad no ministério e, no Banco Central, ocupará a diretoria mais prestigiada, tornando-se na prática o número dois da autarquia, abaixo de Roberto Campos Neto.

Com a informação circulando nas mesas, a curva a termo passou por um processo de inclinação: as curtas cederam um pouco, enquanto as longas aceleraram as altas.

Por trás do movimento está a percepção de que Galípolo, como diretor, pode elevar a pressão para que o Comitê de Política Monetária (Copom) corte a taxa básica Selic, hoje em 13,75% ao ano.

“O fechamento das taxas mais curtas mostra uma reação ao Galípolo, mas as longas abrem com a possibilidade de um erro na política monetária. Ou seja, é a ideia de que corta agora e sobe lá na frente”, resumiu durante a tarde Rafael Pacheco, economista da Guide Investimentos.

Além de Galípolo, Haddad anunciou que Ailton de Aquino Santos ocupará a diretoria de Fiscalização do BC. A diferença é que Santos já faz parte do quadro do Banco Central e ocupará uma diretoria que, tradicionalmente, é comandada por servidores de carreira.

No Copom, em um grupo de nove pessoas que definem a Selic –incluindo Campos Neto– duas delas passarão a ser indicações do novo governo. Pela Lei de Autonomia do Banco Central, Lula poderá indicar mais dois diretores no início de 2024 e trocar o presidente do BC no início de 2025, além de outros dois diretores. Na prática, os indicados de Lula passarão a ser maioria na cúpula do BC em 2025.

Para Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho, a indicação de Galípolo eleva a pressão por cortes da Selic.

“Galípolo vai entrar na diretoria do BC com o objetivo claro de tentar antecipar o movimento de corte de juros. Então, a preocupação é justamente com uma mudança no balanço de forças dentro do BC na direção de uma maior leniência com a inflação”, comentou Rostagno.

“Após o anúncio, o contrato para janeiro de 2025 passou a cair e a parte longa da curva, como no caso do janeiro 2029, ampliou a alta”, acrescentou.

No fim da tarde, a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 11,68%, ante 11,71% do ajuste anterior. Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2026 estava em 11,4%, ante 11,371% do ajuste anterior, e a taxa para janeiro de 2027 estava em 11,56%, ante 11,474%. A taxa do DI para 2019 fechou em 11,96%, ante 11,85%.

Perto do fechamento, a curva a termo precificava 21% de chances de o Banco Central reduzir a Selic em 0,25 ponto percentual no encontro de política monetária de junho e 79% de probabilidade de ele manter a taxa em 13,75% ao ano, patamares próximos aos observados na sexta-feira.

No exterior, os rendimentos dos Treasuries subiam no fim da tarde, com investidores reduzindo a busca de proteção dos títulos norte-americanos em meio ao otimismo com o setor bancário.

Às 16:56 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos –referência global para decisões de investimento– subia 6,90 pontos-base, a 3,5148%.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site protegido contra cópia de conteúdo

Assine e descubra as notícias em primeira mão

O Tempo & Dinheiro tem o melhor custo benefício para você

AO VIVO: Acompanhe as principais notícias do dia na Record News

PRÓS E CONTRAS - 03/05/2023

JORNAL DA MANHÃ - 18/05/2023

VTV SBT - Ao vivo 24h